Recordatório da c. Railda Ribeiro Martins

OEUDV TEMA 2016 – CIDADANIA: “Compartilhando Memórias”
Conhecendo as histórias de vida do nosso povo – OE
Núcleo Apuí – Salvador / Bahia – 4ª Região

Perguntatório: RAILDA RIBEIRO MARTINS (CDC) – 69 anos

Data: 17/09/2016 (3º sábado do mês de setembro)
Perguntadores: 16 Crianças e Jovens
Demais Expectadores: 65 Adultos
Horário: 15h
Local: Barracão do Núcleo Apuí

Equipe de Trabalho: M. Maurício (Responsável Regional OEUDV 4ª Região), Cons. Emanuela (Responsável Nuclear do N. Apuí e Apoio de Produção), Cons. Ciro (Auxiliar da RN com as Crianças e Apoio na Produção), Cons. Dominique (Auxiliar da RN com os Jovens e Apoio de Produção), Cons. Denise, Felipe Wenceslau (Filmagem), Deise Matos, Luisa Torreão (relatório).

c. Railda se apresentando ao público.

c. Railda se apresentando ao público.

 

O extenso mural exibia fotos, recortes e documentos que abarcavam uma vida inteira de quem tem muita história pra contar. Ao lado, uma máquina de datilografar repousava em cima de uma mesa compondo o cenário das lembranças de uma menina que só conheceu a escola aos sete anos, mas formou-se professora e tornou-se escritora. Parte da infância de Railda foi vivida na roça, onde lavava roupa, plantava milho, cozinhava com carvão e lenha e passava ferro de engomar. Brinquedo quase não tinha. Sua diversão se fazia em troncos de bananeira, bonecas feitas de espiga de milho, retalhos de pano e panelinhas de barro. Nunca reclamou. Sabia ser feliz com o pouco que tinha.

 

Mural exibindo fotos, recortes e documentos.

Mural exibindo fotos, recortes e documentos.

A partir dos sete anos, conheceu o que era uma sala de aula. Durante cinco anos, estudou em conventos; depois foi para um colégio interno. Railda diz que sempre gostou da escola – lugar encantador, onde tinha amigos para brincar, livros para ler e merenda para lanchar. Leu todos os livros de Monteiro Lobato e as histórias de Walt Disney. O incentivo veio da mãe, que precisava trabalhar para a subsistência da família, mas sempre aconselhava os filhos: “Vocês precisam aprender a ler e escrever; é importante estudar e ir para a escola”.

Railda levou tão a sério o conselho que fez disso seu ofício. Formada em Letras, foi trabalhar como professora de escola e, mais tarde, chegou a ser vice-diretora. Deu aula em diversos lugares do Brasil e até em Buenos Aires, na Argentina. Uma coisa que ela sempre gostou foi de ouvir os causos dos mais velhos. Ainda menina, pensava: “No dia que eu crescer, quero escrever todas essas histórias. Quero poder fazer as pessoas rirem”. Não havia internet naquela época, e as histórias ainda eram as melhores companhias para conhecer o mundo. Já adulta, Railda fez daquele sonho realidade. Escreveu e publicou o livro Aracuco, além de alguns contos e poesias.

UDV – A chegada de Railda à União foi aos 38 anos, trazida pela amiga de longa data, a c. Raimunda. Inusitadamente, conta que a primeira vez que bebeu o Vegetal sentiu gosto de chocolate. Ainda mais especial foi ter sentido a presença de Deus na vida dela. Desde o primeiro dia, aproximou-se para auxiliar na cozinha e não parou mais de trabalhar por esta causa. Mesmo já tendo uma base católica familiar, diz que passou a se comportar melhor após a chegada à UDV. “A União mudou minha vida”, afirma.

Quando Railda chegou ao Núcleo Apuí, já tinha duas filhas, Denise (CDC) e Deise. Criou as duas sozinha, conseguiu dar estudo e formação acadêmica para que hoje tenham uma vida confortável. No começo, com a estrutura ainda precária, era difícil levar as meninas para as sessões, não havia berçário ou dormitório. Algumas vezes, as deixava na casa da c. Nair. Mais tarde, começaram a levar colchões e colocar as crianças para dormirem nas dependências do núcleo. Mesmo tendo que passar por estrada de barro que rapidamente se transformava em lamaçal, quando chovia, as idas para o Apuí eram sempre uma alegria.

Como conselho para os mais jovens, Railda pede que continuem nessa caminhada e cada um procure dar sua contribuição. Também aconselha que aproveitem as boas oportunidades, respeitem os mais velhos e estudem.

SOU CIDADÃ DO MUNDO*

Sou cidadã do mundo
Nasci na cidade do amor
Faço um trabalho profundo. Na cidade de São Salvador

Estudei para ensinar
Vivo para aprender
Vim aqui buscar
Um pouco mais pra conhecer

No mundo tenho vez
Nele faço a minha parte
Ensinando português
Com criatividade e arte

Meu nome é Railda
União de rio e mar
Sou gota de amor na vida
Que nasceu para brilhar

*Poema de autoria própria declamado durante a entrevista

 

Momento de alegria com os amigos. Sua filha Caçula Deise (lado direito).

Momento de alegria com os amigos. Sua filha Caçula Deise (lado direito).

Denise sua filha primogênita auxiliando na condução do perguntatório.

Denise sua filha primogênita auxiliando na condução do perguntatório.

 

 

Enviar Comentário

Pular para a barra de ferramentas